segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Revisão: Matrix Reloaded e Revolutions

Lançado em 1999, o primeiro Matrix surgiu trazendo um novo conceito de filme de ação. Kung Fu, filosofia, cenas de pancadaria de encher a vista, uma trama empolgante e personagens cativantes. Até hoje, o filme ainda suscita alguns dos questionamentos mais pertinentes da última década, como livre-arbítrio e influência do mundo tecnológico, tão vivenciado nos tempos de hoje.

Todavia, as suas inevitáveis sequências não tiveram a capacidade de dar continuidade à mitologia criada pelos irmãos Wachowsky, que apostaram no lugar-comum, diminuindo o fator cerebral e entregando um filé sob medida para as prateleiras de supermercado. Nesse post faço uma rápida revisão sobre os questionáveis "Reloaded" e "Revolutions", onze anos após os seus lançamentos no cinema. Confiram:

Matrix Reloaded: o objetivo aqui é ampliar os conhecimentos a respeito do mundo visto na produção seminal. Já que Neo (Keanu Reeves) havia se tornado uma espécie de super-homem, também era preciso garantir um rival capaz de enfrentá-lo à altura e ninguém melhor que o sórdido Agente Smith (Hugo Weaving), que ampliou suas capacidades com os acontecimentos do filme anterior. Reloaded começa com um sonho de Neo e um possível final trágico para sua amada Trinity (Carrie-Anne Moss). Ele, então, passa a enfrentar um dilema, pois tudo indica que terá que escolher entre o bem-comum ou suas aspirações pessoais

No filme, conhecemos um pouco mais sobre Zion (o lar dos humanos) e ficamos sabendo que nem todo mundo acredita na profecia defendida com unhas e dentes por Morpheus (Laurence Fishburne). Paralelo a isso, o longa deixa bem clara a devoção daquele povo pelo "escolhido".

Reloaded também tenta introduzir triângulos amorosos, acrescenta novos desafios para os herois e abusa de cenas sem necessidade, além de barulho e lutas exaustivas. Nesse quesito, os Wachowsky tentaram potencializar a parte de ação, contudo tudo é tão forçado, que mais parece um grande vídeo-game.

A participação de Oráculo e do Arquiteto traz mais dúvidas e até que injeta um pouco de curiosidade na trama. Não o suficiente para torná-lo, pelo menos, um bom filme. No campo financeiro, Matrix Reloaded foi um sucesso de público, arrecadando 740 milhões de dólares, para um custo estimado de 150 milhões.

Avaliação: ★1/2

Matrix Revolutions: equilíbrio e desequilíbrio são pontos cruciais no encerramento da trilogia Matrix. Se Reloaded falava muito em "propósito", "destino", Revolutions mostra que sua finalidade é bem prática: a velha luta entre o bem e o mal, mostrada na guerra entre homens e máquinas, com a invasão de Zion, e combate épico entre Neo e o Agente Smith.

O filme não começa bem. Neo está mais perdido do que nunca e a trama demora a engrenar. Revolutions perde tempo demais em tramas paralelas e nas cenas de batalha, tentando dar crédito aos herois de guerra e afins. Quando Neo, enfim, começa a entender seu propósito parte numa missão suicida ao lado de Trinity. O desfecho é grandiloquente e o esperado confronto entre os antagonistas, empolga mais do que o restante da trama. Espertos, os Wachowsky ainda deixaram um gancho para futuros projetos utilizando o selo Matrix.

Financeiramente, Matrix Revolutions levou um "tombo", comparado ao seu antecessor, com 427 milhões de dólares em caixa. Fez muito dinheiro, sim, mas o desapontamento com Reloaded afastou muita gente das filas dos cinemas.

Avaliação: 

Um comentário:

juliano cesar de oliveira disse...

Oi adorei.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?